12 de mar de 2010

A LIBERDADE E O FILME OBRIGADO POR FUMAR

Este trabalho versará falar sobre a liberdade na perspectiva da obra de Espinosa e Kant, partindo do filme obrigado por fumar. Somos livres? A ética se torna uma disciplina da filosofia a partir das indagações de pensadores como Heráclito e Sócrates sobre o comportamento humano, os costumes e os valores a eles atribuídos. Surge, então, a ética como filosofia moral, um campo do pensamento filosófico dedicado a discutir, problematizar e interpretar o significado dos valores morais. A concepção de liberdade no âmbito da filosofia kantiana parte de que toda ação racional deve ser uma ação moral o que é requerido incondicionalmente pelo imperativo categórico posto que a conduta moral seja vinculada a uma máxima universalizável e que esta se constitui em uma lei que não pode ser imposta por algo externo (uma vez que é resultada de um princípio constitutivo a priori da razão), a natureza da legislação racional é universal e as leis universais são morais. O propósito de Kant é estabelecer uma ética racional. Ou seja, uma ética que possa ser efetivamente implementada pelos seres humanos racionalmente, independente da fé e da revelação divina. Kant vê a necessidade de ultrapassar o uso reflexivo e intelectual que fazemos da razão para uma razão que também tenha um uso prático. A isto Kant chamou de "razão prática". Visto que apetites, impusos, desejos, tendências, comportamentos naturais costumam ser muito mais forte que a razão, a razão prática e a verdadeira liberdade precisam dobrar nossa parte natural e impor-nos nosso ser moral. Elas os fazem obrigando-nos a passar das motivações do interesse para o dever. Para sermos livres precisamos ser obrigados pelo dever de sermos livres Espinosa acredita que Deus existe e que tudo é natureza de Deus, por ser o homem um modo de Deus e não mais uma substância, como em Aristóteles ou Descartes. \"Entendo por Deus um ser absolutamente infinito, isto é, uma substância constituída por uma infinidade de atributos, cada um dos quais exprime uma essência eterna e infinita”. Deus é a única substância em Spinoza; todos os demais seres são modos desta substância. E é como modo de uma substância única e imanente, que o homem expressa de“maneira certa e determinada” a essência desse Deus. Aparentemente, isto justificaria o fato da filosofia spinozista negar ao homem a ampla e irrestrita liberdade de ação e escolha. Mas esta questão trás um problema Como pode o homem, sem possuir uma vontade livre, governar o que quer que seja de si mesmo? Como pode evitar se não possui livre-arbítrio ou uma faculdade da vontade, ser absolutamente determinado pelas circunstâncias, pelos encontros “casuais”. Obrigado por Fumar (Thank You for Smoking), de Jason Reitman, baseado no livro de Christopher Buckley, fala sobre a indústria do fumo e das artimanhas de um lobista da área. Nele, Nick Naylor é o principal porta-voz das grandes empresas de cigarros, ganhando a vida defendendo os direitos dos fumantes nos Estados Unidos. Desafiado pelos vigilantes da saúde e também por um senador oportunista, que deseja colocar rótulos de veneno nos maços de cigarros, Nick passa a manipular informações de forma a diminuir os riscos do cigarro em programas de TV. Além disto Nick conta com a ajuda de Jeff Megall, um poderoso agente de Hollywood, para fazer com que o cigarro seja promovido nos filmes. O que realmente nos interessa no filme é a discussão sobre a liberdade de escolha e os fatores externos que condicionam nossa atividade ética. A palavra “ética” vem do grego ethos, que significava, já na Grécia antiga, hábito, costume. Esse sentido é o mesmo atribuído pelos romanos da Antiguidade à palavra latina mores, que deu origem ao termo “moral”. A associação de valores positivos a hábitos e costumes, num primeiro momento, dependia do status social do indivíduo. A ética trata de tudo aquilo que diz respeito à ação do homem, imaginemos as seguintes situações: primeiro que somos todos livres, podemos fazer aquilo que quisermos. Não há quaisquer restrições, não devemos satisfação. Nesse cenário utópico, conseguiria o homem construir para si uma sociedade boa e justa? E as pressões que se constituem principalmente num modelo de sociedade capitalista, qual o poder de decidir que tem o cidadão? A obra de Kant e Espinosa contribui muito para questionar e problematizar um tema tão antigo e atual. JOÃO FILHO- PROFESSOR DE HISTÓRIA E PÓS GRADUADO EM METODOLOGIAS DO ENS. DE FILOSOFIA Bibliografia: SPINOZA E O PROBLEMA DALIBERDADE HUMANA REGINA SCHÖPKE Acesso a internet dia 13/11/2009. Espinosa uma filosofia da liberdade:Editora moderna,1995. Obrigado por Fumar Thank You for Smoking EUA , 2006 - 96 min Diretor: Jason Reitan . A ética de Kant- Marilena Chauí. Editora Ática, 2000

Nenhum comentário:

FAÇA SUA PESQUISA