31 de mar de 2008

44 ANOS DO GOLPE MILITAR

Porque será que os "grandes" veículos de comunicação não deu enfase aos quarenta e quatro anos do golpe militar,no caso da globo por ser ela um produto do seu meio,já que foi um presente do governo vigente para a familia marinho. Um ano depois do golpe militar, surgia a TV Globo. Logo depois firmou um acordo com o grupo norte-americano Time-Life. Antes do AI-5, o Congresso ainda funcionava com certa liberdade e o acordo motivou uma CPI. A CPI apresentou um relatório considerando o acordo ilegal. O tal relatório foi arquivado. Não foi à toa. A recém criada rede de televisão nasceu para se integrar à nova forma de dominação no Brasil. O Jornal Nacional nasceu em 1969, início do período mais duro da ditadura. Médici era o presidente e fez uma declaração famosa: "Sinto-me feliz todas as noites quando ligo a televisão para assistir ao jornal. Enquanto as notícias dão conta de greves, agitações, atentados e conflitos em várias partes do mundo, o Brasil marcha em paz, rumo ao desenvolvimento. É como se eu tomasse um tranqüilizante após um dia de trabalho." Mas não havia tranqüilizantes para os milhares de presos, torturados e mortos a mando da ditadura e que a programação televisiva ignorava.E não é só isso. A Globo fez exatamente o que Médici destacou em sua frase. Um dos artistas globais, José Wilker, disse no Jornal Nacional em luto que "O Brasil tal como é hoje deve muito a Roberto Marinho". E é verdade. Sem a Globo, talvez o Brasil não fosse um país injusto, pobre, com problemas sociais gravíssimos e com 98% dos lares equipados com TV para que o povo veja feliz um mundo como ele deveria ser nas novelas, shows e telejornais e não como ele realmente é. No dia 31 de março de 1964, foi dado o Golpe Militar que instaurou uma ditadura de 20 anos, que sufocou qualquer tipo de manifestação social de esquerda. Há muito silêncio sobre o tema, mas também muitos interessados nesse saber. Todo dia é dia, mas, acredito que hoje seja um dia ainda mais importante para pensarmos sobre esse período nebuloso de nossa história recente. O poder era disputado passo a passo, território a território. Em 1959, em Cuba, a revolução castrista ganhava rumos e se encaminhava para a adesão ao socialismo, ampliando as forças da URSS, e sua influência decisiva na América Latina. E o Brasil, que destino estaria reservado para ele,Após a renúncia do presidente Jânio Quadros, em 1961, quem assume é o seu vice, João Goulart (Jango). Alinhado aos comunistas, ele representava uma proximidade do Brasil com o bloco socialista Enquanto alguns grupos de movimentos sociais, de trabalhadores, estudantes e intelectuais, equipavam-se de saberes da teoria marxista e se voltavam para o socialismo, forças conservadoras ligadas à Igreja Católica (como a TFP) e aos partidos reacionários (a UDN e o PSD) acirravam os ânimos de uma disputa surda pelo poder.Temendo uma revolução de esquerda no país, as forças reacionárias alinhavam-se aos militares brasileiros, na busca de evitar o ‘mal do comunismo’. Estava dado o Golpe. O Brasil mergulhava na escuridão de um regime autoritário, que cercearia as liberdades civis e de manifestações de pensamentos contrários ao regime. Existe muitas verdades ainda para vir à tona. Essa História está muito mal contada, em seus detalhes, nos ‘nomes’ de quem estava por trás das torturas e massacres, e, nós, historiadores, cientistas sociais,sociedade como um todo não podemos esquecer para que tais fatos jamais se repitam. EM MEMÓRIA DE TODOS QUE LUTAM E LUTARAM CONTRA TODA FORMA DE AUTORITARISMO. Indicações-Brasil nunca mais,Muito além do cidadão Kane,memórias do cárcere. João Filho,professor eventual da rede publica de São Paulo

Nenhum comentário: