15 de mar de 2008

VIGIAR E DOMESTICAR

Reportagem do jornal nacional comenta que o aumento das câmeras de segurança em todo país foi 18%(dezoito por cento) a mais que no ano anterior,não que seja relevante aqui comentar o que a rede globo passa como noticia,este seria tema pra uma outra discurssão já que se foi criado no imaginario popular que o que é noticia essencialmente tenha que passar na globo,você com certeza já ouviu falar,passou na globo ontem,(Pierre Bourdieu (Denguin, 1 de agosto de 1930 — Paris, 23 de janeiro de 2002) foi um importante sociólogo francês), chama isso de assunto de ônibus que nen sempre tem importancia mas é escolhido por uma midia e repetidos por tantas outras. Achei relevante por ser um tema que me preocupa.Serve realmente as câmeras que estão expostas em diversas lojas,supermercados,postos de gasolina e condominios para proporcionar segurança? ou para criar um big brother como já indicava George Orwell, (Londres, 21 de janeiro de 1950 foi um escritor britânico mais conhecido pelas suas duas obras maiores, A Revolução dos Bichos e 1984),este último um livro maravilhoso que conta como se pode manipular uma sociedade construindo mentiras e verdades para favorecer à um determinado grupo, privando o ser humano de elementos básicos como o amor.Esta parafernalia de cameras para todo lado acaba conduzindo o homem para uma posição de medo,VIGIADO Surge então o que Foucault chama de sociedade disciplinar. Ela nasce ao final do século XVIII e caracteriza-se como um modo de organizar o espaço, controlar o tempo e obter um registro ininterrupto do indivíduo e de sua conduta. Do ponto de vista do exercício do poder, essa sociedade se caracterizaria por implantar o que Foucault chama de “poder panóptico”. A vigilância contínua é o meio que torna possível o pleno controle dos indivíduos. Ela representa um novo ponto de vista do poder, um poder que, em vez de punir um indivíduo que pratique qualquer ato ou infração, tem suas ações previstas, antevistas pelo sistema. A vigilância permite um controle dos atos e do grau de engajamento de cada indivíduo ao sistema de poder instaurado. Antevê e determina o que pode e o que não pode o indivíduo fazer. O controle, o monitoramento dos indivíduos torna possível também a correção de suas tendências, reorientando-as na direção estipulada pelo poder panóptico.Assim, esse poder se legitima por meio do surgimento e da proliferação de uma série de instituições que referendam o modelo das diversas instituições que modernidade seguem o principio do big brother: a fábrica, a prisão, o hospital, a escola. Essas instituições literalmente seqüestram os indivíduos. A fábrica, as cidades operárias, a escola, o hospital, o as casas de repouso e os orfanatos vigiam, disciplinam e ordenam a vida do grupo dos indivíduos que lhes são subordinados. O objetivo é passar de um modo de punição para um sistema de controle,a burguesia achando formas de dominação em diferentes épocas.Em 1984 George Orwell fala que a esperança está nos povos pobres e excluidos já que a classe média se organiza conforme sua vontade de chegar um dia ao status de burgês, logo não se ver como oprimido. joão Filho,professor de história da rede pública de São Paulo.

Nenhum comentário: