10 de ago de 2009

Os discursos tradicionais cederam lugar às músicas, “mística” e palavras de ordem, na abertura do 15o Grito da Terra, nesta terça-feira (26), em Brasília. Já era quase meio-dia quando foi iniciada a cerimônia. Sob um sol forte, os manifestantes, espalhados no gramado em frente ao Congresso Nacional, deram-se as mãos, em uma demonstração de união, e acompanharam a “oração”: “Esse é um grito que vem do campo, clamando por paz e justiça social”, repetiram. Os manifestantes demonstraram união com as mãos dadas durante a "mística" A seca no Sul e as enchentes no Nordeste comprometeram o comparecimento dos manifestantes, mas este ano, o ato ganhou em organização. A avaliação é de Pascoal Carneiro, secretário nacional da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), que participou do evento, sendo saudado pelo presidente da Contag, Alberto Broch. Pascoal Carneiro destacou que a organização está mais avançada, a pauta está mais enxuta e as negociações e contatos começaram mais cedo. Em resumo, o evento está mais bem preparado. Agitando as bandeiras, os manifestantes desciam dos ônibus que os trouxeram do Estádio Mané Garrincha, onde estão acampados, acompanhando o refrão da música que vinha do carro de som: “Esse é o nosso país/Essa é a nossa bandeira/É por amor a essa pátria Brasil/Que a gente segue em fileira.” Um ajuda o outro Iara Aparecida de Sousa viajou mais de 24 horas, de Baliza, em Goiás, até Brasília, para participar, pela primeira vez, da manifestação. O marido, ao lado, Dalro Moreira Lopes, já é veterano. Eles são do Assentamento Bebedouro e se queixam das dificuldades para liquidar os débitos com o Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar). Sebastião dos Santos Farias, também do Assentamento Bebedouro, grita, tentando superar o som do auto-falante: “É por causa disso que eu estou aqui.” Iara interrompe para dizer que “cada assentamento tem uma dificuldade, é terra, crédito, infraestrutura”, explicando que todos estão na manifestação “para cada um ajudar o outro.” Ela diz ainda que não veio só para se queixar: “Do (Presidente) Lula, a gente não tem do que reclamar, se não fosse ele, a gente tava morto.” A desburocratização na liberação de créditos faz parte da pauta de reivindicações. Pascoal Carneiro explica que, ao contrário dos empresários do agronegócio, os pequenos agricultores não dispõem de serviços de assessoria e advocacia para produção de projetos, o que dificulta o acesso ao crédito. Diz ainda que as alterações climáticas – secas e enchentes – dificulta o pagamento, defendendo a criação de mecanismos de seguro para os créditos. Sem explicação O secretário-geral da Contag, que é também vice-presidente da CTB, Davi Souza, explica que o aumento de áreas para a reforma agrária continua a ser a principal reivindicação do movimento. “Um governo popular, não explica a lentidão da reforma agrária”, destaca, acrescentando que existem outras demandas. Oura grande preocupação é com a produção rural. Para o dirigente sindical, o governo está pressionado entre o grande produtor rural e a agricultura familiar, e a garantia de recursos para assistência técnica, crédito e infraestrutura é uma decisão política. Segundo ele, “o reforço na agricultura familiar garante o equilíbrio social do campo e da cidade.” Ele lembra ainda, como importante reivindicação do movimento, a atualização do Código Florestal. “Queremos tratamento diferenciado para que agricultores familiares possam conciliar a produção de alimentos com a conservação do meio ambiente”, afirma. Segundo ele, essa é uma demanda que beneficia o campo e a cidade Data-base dos agricultores O Grito da Terra é o principal evento do movimento sindical do campo. A manifestação é considerada como uma espécie de data-base dos agricultores familiares, dos trabalhadores sem-terra e dos assalariados e das assalariadas rurais brasileiras. A pauta do Grito da Terra Brasil é ampla e reúne reivindicações relativas às políticas agrícolas (assistência técnica, crédito), à reforma agrária (desapropriação de terras e criação e manutenção de assentamentos), às questões salariais (cumprimento e ampliação das leis trabalhistas) e às políticas sociais (saúde, previdência, educação e assistência social). A mobilização também defende os interesses das mulheres trabalhadoras rurais e da juventude rural. O objetivo dos trabalhadores e trabalhadoras rurais, acampados em Brasília durante esses dois dias – terça e quarta-feira (27) - é acompanhar as negociações finais e pressionar o governo federal para atender à pauta de reivindicações que foi entregue ao presidente Lula dia 29 de abril. A Comissão de Negociação da Contag participou de 38 reuniões com ministros, secretários e técnicos de órgãos da administração pública federal nas duas últimas semanas. Homenagem a Adão Preto Nesta quarta-feira, a Câmara dos Deputados realiza audiência púbica de acolhimento ao Grito da Terra 2009. O encontro, que tem como tema a Reforma Agrária: Conquistas e Perspectivas, será realizado pela Comissão de Direitos Humanos em parceria com as comissões de Legislação Participativa e Agricultura. A audiência pública será aberta pelo presidente da Casa, deputado Michel Temer (PMDB-SP) e terá a presença de lideranças nacionais do movimento campesino. Na ocasião será feito homenagem especial ao ex-deputado Adão Preto (PT-RS), que morreu este ano e é lembrado como representante dos movimentos camponeses no Parlamento. De Brasília Márcia Xavier

Nenhum comentário: